sábado, 15 de fevereiro de 2020

Conto: Um casamento em 2086, Ana I. J. Mercury

Oii, gente, tudo bem?
Hoje eu vim contar uma novidade!
Nesse começo de ano, fiz um curso de escrita de 10 exercícios do @pula1linha muito legal e que me fez pensar muito! 😍😁
E um dos exercícios era escrever como seria um casamento em 2086 pela visão de uma convidada. E descrever o que teria dos dias atuais daqui a 66 anos.
Eu fiquei pensando em colocar Extraterrestres entre nós, hahahaha, mas, ao me recordar de algumas distopias que li, em que as pessoas não podiam escolher seus cônjuges, escrevi esse conto e queria compartilhá-lo com vocês! 💝

Um casamento em 2086
Ana I. J. Mercury
Finalmente o casamento da Stephenie com o Maurício. Que festa esplendorosa! Pegou a todos de surpresa. Aliás, todo o relacionamento deles nos surpreendeu.
       Na atualidade, 2086, casamentos por amor não existem mais. Os jovens satirizam quando encontram nas caixas de velharias dos pais, com singelas e encantadoras fotografias dos casamentos de seus avós e bisavós, a prova do que um dia foi a grande celebração do amor. Agora, assinamos apenas um contrato de sociedade perante o juiz e duas testemunhas, para selar o destino de um casal que confiou um no outro para se ajudar nos projetos administrativos. As porcentagens bem calculadas e divididas no cartório, e assim, seguimos sócios casados e não mais parceiros de vida.
       Sinto falta da minha infância, ainda existiam poucos que se casavam por amor e era tudo tão lindo. Os detalhes todos que envolvem o romantismo me arrebatam. Mas nunca realizei o sonho de me casar desse jeito, livre de amarras e sem pensar em ser uma reles sócia, ao invés de esposa.
       A noiva vem entrando de braços dados com o pai, deixando todos de boca aberta com a ousadia de usar a tal marcha nupcial. Meus olhos ficam umedecidos ao visualizar minha prima de segundo grau realizar o que sempre sonhei. Mesmo aos 71 anos, ainda há em mim aquela doce mocinha à espera de seu amor.
       Ao se aproximar do altar, o noivo enlaça em seu braço com um sorriso orgulhoso e o pastor dá início a cerimônia. Presto atenção, embora meus olhos insistem em reparar em cada detalhe tão precioso e raro: o vestido de renda branca adornado com um véu e uma tiara de flores, que deixam a noiva com uma aparência angelical. As flores coloridas de seu buquê, que logo mais será jogado para as solteiras da festa, "será que devo tentar pegá-lo?", me questiono, e rio em seguida de mim mesma.
    Toda a decoração é inspirada nos casamentos dos anos 1990, com muitos doces e um bolo enorme decorado com flores de açúcar. Numa vitrola - sim, elas existem! - toca uma doce e esperançosa canção, Love of my life, de uma banda que ainda é muito amada, o Queen. No carro dos noivos têm latinhas amarradas no para-choque para que todos que cruzarem com eles pelas ruas hoje, saibam que são recém-casados. E agora a valsa começa fazendo meu coração explodir de ternura e sonhos.


Beijos,
Ana M.

Um comentário:

  1. Hahahaha que delícia de texto, amei. Poderia inventar mil coisas e fazer a gente viajar no cenário de um casamento em 2086, mas o que justamente amei foi você fugir do óbvio e mostrar o saudosismo de um casamento dos dias de hoje no futuro. Jogada de mestre, eu diria! Amei! Parabéns! Gostei da narrativa, pude até me sentir presente no casamento.
    Beijo, beijo!
    She

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua opinião sobre o post!
Sem comentários ofensivos.
Assim que puder, retribuirei a visita!

Beijos,
Ana M.