quinta-feira, 29 de junho de 2017

#Resenha: Perdido em Marte, Andy Weir

E aí, gente, curtindo muito esta quinta com cara de sexta??
Por aqui, tudo ótimo, graças a Deus!
E agora tem mais uma resenha, ai, de um livro sensacional! Um dos meus prefes desse ano! 
Confira!


Logo que saiu a lista dos filmes/atores concorrentes ao Oscar e Matt Damon (lindoooooooooooooooo!) foi indicado como melhor ator por Perdido em Marte, fiquei curiosíssima para ler o livro, e também, assistir o filme. Que vergonha das vergonhas, ainda não assisti!

Corri comprar o e-book (ainda com a capa original. Mas saiu uma nova do filme), e por fim, tio Leozinho (outro lindo!) levou a estatueta, e eu fui adiando minha leitura.

Mas, como adoro o Matt, e queria muito assistir ao filme, corri semana passada a ler o livro pra assistir logo, e gente, que livro incrível é esse?! Eu não sabia o que esperar, porque né, "perdido em Marte", é desesperador demais pensar numa situação dessa. E o livro, ai, nossa!

Mark Watney é um botânico, engenheiro (não lembro do que agora kkk) e também é astronauta (eu também queria ser quando pequena, só PARA conhecer Marte, credo, perdi a vontade total depois de ler essa obra! kkk).

Logo que Mark e seu grupo chegam a Marte, sofrem um negócio tipo uma tempestade de areia, e Mark some, e se os seus companheiros não entrarem na nave e partirem de lá, vão morrer também. Portanto, achando que Mark realmente estava morto, seus amigos astronautas vão embora, deixando em Marte.

A viagem de ida até Marte leva cerca de 7 meses, por aí (no livro é contado em dias, as vezes em sóis, o que me deixou bugada nas contas kkk). Que exasperação me causou imaginar esses astronautas viajando por tantos meses e quando chegam lá, tem de voltar embora correndo. Quer dizer, voando! rsrs

Mark acorda um tanto machucado e atordoado, e parte se ajeitar, e tipo, ele é MUITO engraçado! E super, hiper, mega otimista!

Ele não se desespera. E talvez seja aí que o autor pecou. Porque mesmo perdido num planeta árido e inabitado, praticamente fadada a morte certa, o Mark NÃO perde jamais o rebolado.

Assim que se vê sozinho, ele já vai racionar comida, e fazer os ajustes necessários para voltar a Terra, pois em cerca de 4 anos, outra missão da Nasa ocorrerá, e ele vai tentar pegar carona com os demais astronautas.

Gente, peço desculpas, vou falar do jeito que eu conseguir, kkk o Mark vai trabalhar muito, seeeempre que algum aparelho da certo e vai ajuda-lo, acontece alguma coisa e quebra de novo, ou outra coisa para de funcionar! O livro tem MUITAS descrições sobre esses "instrumentos", veículos espaciais e etc., eu até compreendi, só não me recordo dos nomes.

Passado algumas semanas, o pessoal da Nasa descobre que o Mark continua vivo e consegue através de uma câmara e computador entrar em contato com ele, bolando diversos planos para ajuda-lo a sobreviver.

E é, mais ou menos isso.

Não vou falar mais para não soltar algum spoiler, mas preciso ressaltar gente, esse livro é muito, MUITO BOM MESMO!

Já se tornou um de meus prefes da vida! <3

Os personagens são bem caracterizados, os pontos de vistas narrados em 3ª pessoa sobre o pessoal lá da Nasa que está dando um jeito de trazer o Mark de volta pra Terra + as narrações em 1ª pessoa pelo Mark estão super bem escritas e convincentes.

As descrições de Marte e de como o Mark faz pra se virar lá é demais! E ele plantando batatas! Foi hilário!

É um livro, a meu ver, que não traz apenas informações interessantes sobre astronautas, Marte, e afins. Mas também, sobre a amizade e sua importância. Sobre como a vida de um único ser humano pode mudar a história, pode transformar culturas e movimentar uma massa de gente que nem se conhece, que nem tinham interesses em comum, tudo, para salvar uma vida. A importa e o valor da vida de Mark dada no livro todo foi importantíssimo e muito, muito lindo e admirável.

O otimismo de Mark é exemplar. Daí você pode me dizer: "Ah, mas é ficção". Sim, é. Contudo, a mensagem é muito clara. A força pela sobrevivência e luta persistente de Mark nos incita a fazer o mesmo. Sempre. Por menor, ou até maior que nossas lutas sejam.

Um livro incrível! Muito bom mesmo! Gostoso de ler, extremamente divertido e que passa uma mensagem essencial e espirituosa! 
Vale muito a pena de ler!

E agora NECESSITO assistir o filme!
É, pois é, li semana passada e até agora nada de assistir, mas irei, até o final do mês que vem, e corro aqui contar pra vocês o que achei, combinado??

Leiaaaaaam!



Essa é a quinta resenha de Junho do Desafio Literário Livreando 2017.
Da opção: um livro com capa laranja.
Saiba mais sobre o Desafio do querido blog Livreando, CLICANDO AQUI!

Beijos,
Ana M.

Um comentário:

  1. amei esse livro, é incrivel <3
    http://dose-of-poetry.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua opinião sobre o post!
Sem comentários ofensivos.
Assim que puder, retribuirei a visita!

Beijos,
Ana M.