segunda-feira, 8 de maio de 2017

#Resenha: Dezesseis, Simone Pesci

Oii gente, tudo bem?
Hoje tem resenha de um livro especial, baseado na música Dezesseis da banda de rock nacional Legião Urbana.
Confira!


"Tire suas mãos de mim, que eu não pertenço a você! Não é me dominando assim, que você vai me entender!", e é cantando Será? que começo essa resenha! Afinal, quem nunca se identificou com uma música do Legião que atire a primeira pedra! rsrs

João Roberto, apelidado de Johnny, acaba de completar 16 anos e é conhecido pelos seus amigos como o "rei dos pegas", devido a sua habilidade nos rachas. Chegado numa maconha, bebidas e mulheres, o garoto só quer curtir a vida. Fazer o que ama, sem se importar com o amanhã.

Até que apaixona-se à primeira vista por Ana Cláudia, deixando-o sem fala e hipnotizado pela sua imagem, tornando-se seu "Anjo".

Ana Cláudia é filha do delegado da cidade, um homem misterioso e grosseiro, que tem uma birra enorme contra Johnny, fazendo de tudo para prejudica-lo.

Ela é seguida pelo seu colega de infância, Samuel, que é tão carrasco e mal educado como o delegado, tentando continuamente obriga-la a ficar com ele.

Obviamente que Johnny, o rebelde sem causa, faz de tudo para ter a garota desejada, criando muitas peripécia e reviravoltas ao decorrer da leitura.

Ana retribui seus sentimentos, envolvendo-se cada vez mais, mesmo sabendo de todas as implicações que esse romance lhes trará.

A história é baseada na canção de Dezesseis da Legião, composta por Renato Russo. E devo dizer que é lamentável o fato do Renatão estar morto. Poxa, queria muito que ele tivesse lido Dezesseis.
Tenho certeza que ele amaria demais!

A Simone baseou-se bem nos adolescentes criando uma trama alucinante! Regrada a loucuras! Muitas bebidas, drogas, rachas, um amor tórrido e muitas, muitas tretas.
Com um final de recheado de surpresas e emoções do começo ao fim!

Teve começo, meio e fim, o que me agradou bastante, tratando-se de uma obra baseada numa canção, da-a entender que é mais simples, mais curto, mas não. Teve muitos acontecimentos e vários personagens!

O que me desagradou foi o Johnny kkkk apesar dele ser o protagonista, achei-o chatinho e muito impulsivo. Tinha momentos que eu tive vontade de entrar no livro e dizer: "Calma, homem! Maneira aí!" kkkkkkkkkkk

As notas de rodapé também me incomodaram bastante, pois trazia as informações de palavras simples citadas no texto, já conhecidas. Achei-as desnecessárias, embora sei que tem quem ame todo que é tipo de informação.

A autora gentilmente me enviou o pdf do livro, por ele não estar mais à venda no momento. Simone, muito obrigada mesmo por ter me enviado! E obrigada pelo carinho que sempre teve comigo e com o blog.

E quem quiser ler também Dezesseis, entre em contado com a autora pelas suas redes sociais abaixo e fale com ela!


Beijos,
Ana M.

3 comentários:

  1. Ana, é isso aí... Dezesseis/Johnny é 8 ou 80: ou você ama, ou você odeia! rs
    Agradeço por disponibilizar do seu tempo com a leitura e a resenha.

    Beijosssss

    Simone Pesci
    http://simonepesci.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana! Eu já li esse livro e admiro o modo como a Simone criou a trama inspirada na música. Admiro também o desfecho, embora a música seja um baita spoiler, a criatividade da Simone foi mais além, presenteando o leitor com um final inesperado. A partir dessa leitura, fiquei curioso em ler mais livros da escritora, porque o que me atrai em um livro é a criatividade do escritor. Agora, pretendo ler Entre o Céu e o Inferno.

    ResponderExcluir
  3. Ana!
    Livros adolescentes sempre trazem a irreverência da fase, aqui me parece que tudo foi mais exacerbado e não sei se leria no momento.
    Desejo uma ótima semana!
    “Conhecer os outros é sabedoria. Conhecer-se a si próprio é sabedoria superior.” (Lao-Tsé)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua opinião sobre o post!
Sem comentários ofensivos.
Assim que puder, retribuirei a visita!

Beijos,
Ana M.